Etapas de Formação

Como Filha da Pobreza do Santíssimo Sacramento, nosso chamado é seguir o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, a exemplo de São Francisco e de Santa Clara. Jesus que se fez pobre no presépio, na cruz e na eucaristia, este é o modelo teológico-eucarístico que permeia nossas vidas e nos remete a uma vivência simples e em fraternidade. É precisamente da pobreza de Cristo no altar, que se fez pobre para nos enriquecer com sua pobreza, que somos nutridas e impelidas à missão, ao serviço aos pobres que flui da adoração eucarística.

A formação é organizada em etapas, realiza-se no Aspirantado, Postulantado, Noviciado e o Juniorato e, pela profissão Perpétua se consolida como compromisso para toda a vida. Durante todo esse tempo, a formação religiosa deve ser organizada de tal forma que possa ser feita o mais completamente possível sobre um sólido fundamento humano cristã.

 

ASPIRANTADO

Uma aspirante é uma jovem que entrou para o Instituto para fazer uma experiência mais aproximada da vida religiosa e do carisma das filhas da pobreza. Nesta etapa aquela que aspira pela vida consagrada vive um período de um ano.

 

POSTULANTADO

Uma postulante é uma jovem que como o nome já diz, postula, faz o seu pedido; ou seja, faz uma experiência mais profunda de si mesma (autoconhecimento) e do ideal (carisma) que está buscando. Esta etapa dura cerca de dois anos.

 

NOVICIADO

Com o noviciado inicia-se de fato o caminho dentro do Instituto das Filhas da Pobreza, conforme o CDC (Código de Direito Canônico). Tendo trilhado um percurso de autoconhecimento, analisado melhor suas motivações iniciais, a noviça agora encontra-se mais livre para aprender e vivenciar a índole e o espírito do Instituto. Esta etapa tem a duração de dois anos e caracteriza-se pelo recebimento do hábito.

 

Juniorato

A irmã professa pela primeira vez os votos de castidade, pobreza e obediência, renovando anualmente, por um período de quatro a nove anos (cf. cân. 655). “O juniorato da Filha da Pobreza é um tempo de continuidade da formação das irmãs, favorecendo o amadurecimento espiritual para vivência do nosso carisma e atuação no nosso apostolado, sendo a caridade oblativa sinal e testemunho da sua vida de consagração a Deus” (cf. Const. VII, art. 135).

Votos Perpétuos

Tendo passado pelas fases iniciais da formação, a irmã agora assume um compromisso de viver os conselhos evangélicos de castidade, pobreza e obediência por toda a sua vida.  Com a profissão perpétua inicia-se a formação permanente que consiste em seguir Jesus, nosso Deus encarnado, Filho Unigênito do Pai, que segundo São João “nos amou por primeiro” (1Jo 4,19); empenhando-se de corpo e alma no seguimento incondicional e absoluto à pessoa de Jesus Cristo, a Ele somente.